Reynaldo Eckenberger

05/06/2013 23:12

Um artista do outro mundo. Estive na segunda feira, 3 de junho de 2013, ante-ontem, no ateliê de Eckenberger. Não foi a primeira vez. Mais ou menos uma semana antes, em companhia de Isa Oliveira e Leonel Mattos, eu havia estado lá, mas sem a presença do artista. E fez uma grande diferença. O argentino quase baiano é uma pessoa afável, sorridente e amistosa. Mostrou-me o que havia de esculturas, trabalhos em tela e desenhos intercalados com colagens. Azulejos e cerâmicas trabalhados, sempre com figuras exóticas de seu imaginário pessoal, povoam as paredes, estantes, piso, cantos e recantos da casa centenária. É difícil até se ter uma visão das obras pela disposição dos trabalhos. Há também os grandes bonecos de pano, em tamanho natural, a compactuarem com a celeuma local. Quando cheguei bem no meio da tarde, ele estava sentado conversando com uma mocinha. Esperei um pouco e educadamente mantive distância do centro da conversa. Foi meu êrro. A moça estava entregando a ele uma cópia de sua defesa de tese da Escola de Belas Artes. Parece ser um trabalho magnífico o dela, já que foi calcado no fantástico trabalho dele. Porque Eckemberger Em setembro do ano passado fui ao leilão de Zeca Fernandes quando ofertado um trabalho de Eckenberger, um Santo Antonio da década de '60. Quase compro, mas o conhecimento do artista era por demais vago. Não comprei e me arrependi. Fiquei todos estes meses à procura de Eckenberger, mas por obra do acaso quando comprei um trabalho de Edmundo Simas, num leilão de Leonel Mattos no Facebook. Fui buscar o trabalho em casa de Leonel no Carmo. Conversa vai, conversa vem, fomos acabar no ateliê de Eckenberger. Semana seguinte fiz a visita oficial. Os trabalhos serão expostos aqui no site a partir da semana que vem. Quem vir, irá se surpreender!!!